sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

ARREPENDIMENTOS COMUNS DAS PESSOAS NO FIM DA VIDA



A enfermeira australiana Bronnie Ware causou impacto mundo afora com a entrevista que concedeu ao jornal britânico The Guardian, no início de 2012. Ela falou sobre a sua experiência de trabalho com pessoas em estado terminal, base que lhe serviu para escrever o livro “The top five regrets of the dying”, onde lista os cinco maiores arrependimentos das pessoas à beira da morte.

Segundo Bronnie, os pacientes atingem uma clareza de raciocínio bem acima do normal quando aceitam o fato de lhes restar pouco tempo de vida. Nesta condição, eles demonstram percepções muito semelhantes sobre o que deveriam ter feito para valorizar melhor a existência, mas, lamentavelmente, deixaram de fazer.

Na entrevista, ela resumiu os cinco principais arrependimentos:

1. “Eu gostaria que não tivesse me faltado coragem para viver a vida que eu queria, em vez de simplesmente corresponder àquilo que os outros esperavam de mim.”
“Este foi o arrependimento mais comum. Quando as pessoas percebem que a vida delas está quase no fim, e olham para trás, é fácil ver quantos sonhos não foram realizados. A maioria das pessoas não realiza nem metade dos seus sonhos e tem de morrer sabendo que isso acontece por causa de suas próprias decisões. A saúde traz uma liberdade que poucos conseguem perceber, até a gente deixar de tê-la.”

2. “Eu gostaria de não ter trabalhado tanto.”
“Eu ouvi isso de todo paciente masculino que tratei. Eles sentiam falta de ter vivido mais a juventude dos filhos e a companhia de suas esposas. As mulheres também falaram desse arrependimento, mas como a maioria era de uma geração mais antiga, muitas não tiveram carreira profissional. Todos os homens com quem eu conversei se arrependeram de passar tanto tempo da vida no ambiente de trabalho.”

3. “Eu queria ter sentido coragem para expressar meus sentimentos.”
“Muitas pessoas suprimiram seus sentimentos para ficar em paz com os outros. Como resultado, essa gente se acomodou em uma existência medíocre e nunca se tornou quem realmente era. Muitos desenvolveram doenças relacionadas à amargura e ao ressentimento que carregaram em virtude disso.”

4. “Eu gostaria de ter mantido contato com meus amigos.”
“Frequentemente eles não percebiam as vantagens de ter velhos amigos até chegarem a suas últimas semanas de vida. Muitos ficaram tão envolvidos em seu próprio cotidiano que deixaram amizades de ouro para trás ao longo dos anos. Tiveram arrependimentos profundos sobre não ter dedicado tempo e esforço às amizades. Todo mundo sente falta dos amigos quando está morrendo.”

5. “Eu gostaria de ter me permitido ser mais feliz.”
“Este é um arrependimento surpreendentemente comum. Muitos só percebem no fim da vida que a felicidade é construída por escolhas. As pessoas ficam presas em antigos hábitos e padrões. O famoso ‘conforto’ com as coisas que são familiares. O medo da mudança fez com que eles fingissem para os outros e para si mesmos que estavam contentes quando, no fundo, ansiavam por rir de verdade e aproveitar coisas simples, e até bobas.”

Eu, particularmente, acho que estes arrependimentos apresentam elementos universais e atemporais. Em menor ou maior intensidade, a depender da trajetória de cada um, devem ser comuns a todas as pessoas em qualquer parte do mundo e a qualquer tempo. Entretanto, na cultura predominante atualmente, onde a perene necessidade de consumo para sobrevivência se transformou em meta suprema da existência, desconfio que eles se intensifiquem demais.

Enquanto há fôlego, porém, há oportunidade para reverter todo e qualquer desperdício de vida. O interessante é que o desejo de vida plena, paradoxalmente, se acende quando a gente toma consciência da própria mortalidade. Assim, se torna essencial sempre manter a clareza de que, no fim da nossa jornada nesta terra, quando precisarmos nos despir de tudo, só poderemos carregar o que couber no coração.


Autor: Marco André Regis

2 comentários:

  1. Espero ter tempo suficiente pra fazer o que preciso...amar por completo...valorizar meus amigos...e trabalhar com amor, acima de tudo!...e assim ser FELIZ...ate nao estar mais aqui!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também espero... Estes são arrependimentos comuns a todos, a afirmo que 90% das pessoas futuramente vão ter estes mesmos arrependimentos... Quero fazer minha vida valer a pena.. Não perder a oportunidade gloriosa da vida como disse John POwer...

      Excluir