sábado, 21 de junho de 2014

BEIJO DE INVERNO


Quero apenas cinco coisas
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos
Não quero ser sem que me olhes
Abro mão da primavera
Para que continues me olhando.

–– adaptação livre do poema de Pablo Neruda “Pido silencio”.

Imagem: “Rain lovers”, grafite do
artista australiano Loui Jover.


Retirado do facebook do site http://semioticas1.blogspot.com.br/

terça-feira, 3 de junho de 2014

É TEMPO DE VIVER SEM MEDO

"...Cada pessoa brilha com luz própria, entre todas as outras
Existem fogos grandes e fogos pequenos e fogos de todas as cores
Existe gente de fogo sereno, que nem fica sabendo do vento
E existe gente de fogo loco, que enche o ar de faíscas
Alguns fogos, fogos bobos, não iluminam nem queimam
Mas outros...
Outros ardem a vida com tanta vontade 
Que não se pode olhá-los sem pestanejar
E quem se aproxima se incendeia" 
Eduardo Galeano


segunda-feira, 2 de junho de 2014

MOMENTOS



Musica tem o incrível poder de fazer-nos lembrar de momentos, sensações, pessoas, lugares e até cheiros. Hoje, mergulhado na melodia de uma, lembrei de um lugar incrível e dos momentos magníficos que vivi ali quase todas as tardes. Não era um lugar exuberante, daqueles que todos desejam conhecer, com belas paisagens ou incríveis estruturas, era apenas uma quadra, antiga, com uma cesta de basquete, não havia absolutamente nada de especial, mas era o meu lugar favorito no mundo e onde eu desejava estar todas as tardes.

Havia neste lugar, uma árvore daquelas bem altas e com um copa densa, lustrosa e que oferecia uma sombra irresistível. Sempre que terminava de jogar, fim de tarde, colocava o fone no ouvido, deitava debaixo dela e já não conseguia sentir nada ao meu redor, era apenas eu, a música, aquela árvore, e o sentimento de estar no lugar mais seguro do mundo. Sentia paz, uma sensação incrível de liberdade, de fé, de acreditar nas coisas boas da vida. Um brisa sobrenatural envolvia aquele lugar, me perdia em mim mesmo, mas era uma espécie de se perder para encontrar o verdadeiro eu no profundo da alma, e de repente, me encontrava rindo e depois, aquelas sensações me levavam a pensar naquilo que mais fazia sentido na minha existência, família, amigos, ideais, utopias e momentos como aquele. O canto dos pássaros era mágico, tirava o fone do ouvido e admirava o som produzido de forma tão singela, era como um canto de agradecimento ao Criador por mais um dia de vida.
 Lembrava de Adão no jardim, sempre imaginava-o deitado debaixo de uma árvore, daquelas que oferece uma irrecusável sombra fresca, e no final da tarde, ao som dos cantos dos pássaros e do sopro suave do vento, encontrava com o Divino. Penso que este era o momento favorito dele, e todos os dias, esperava por ele como se fosse o último momento que teria a oportunidade de vivenciar aquilo. Ele, a natureza, o criador, o encontro, a paz, o viver transformador e a alegria.
Hoje senti saudades daquele lugar e desejei voltar para vivenciar aquilo de novo, mas também, lembrei  que lugares e momentos como este, cercam o nosso dia a dia, não exatamente da mesma forma como acontecia ali, naquela quadra, debaixo daquela árvore, mas tão incríveis quanto, basta estarmos atentos e fazer dos momentos e ao lado de pessoas especiais, experiências divinas. Lembrei das belas palavras de Rubem Alves:"Cada momento de alegria, cada instante efêmero de beleza, cada minuto de amor, são razões suficientes para uma vida inteira. A beleza de um único momento vale a pena de todos os sofrimentos."
A propósito, o lugar era este


E esta é a música que me fez resgatar estes momentos.


Felippe Ramos do Nascimento


O QUE IMPORTA?



"Importa na vida é ser feliz. E a felicidade não resulta da soma de prazeres nem do acúmulo de bens. É fruto do sentido que se imprime à existência."
Frei Betto

sexta-feira, 30 de maio de 2014

DESEJO

Desejo primeiro que você ame
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
(…)
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.

– extraído de “Desejo”, poema de Victor Hugo traduzido por Vinicius de Moraes.

Imagem: “The Kiss”, pintura de 2010 do artista russo Andre Kohn.


Extraído do site: SEMIÓTICAS

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Sobre a "Fé'


Na experiência da Fé, é preciso desconstruir para reconstruir, duvidar para aprender, se esvaziar para reencontrar novos significados e certezas. A fé é dinâmica, é um eterno descobrir, reinventar, acreditar, aprender. 
Já tentei reduzir a fé a razão, sem perceber que a fé perpassa nossas faculdades racionais. Já tentei explicá-la racionalmente e falhei muitas vezes, porém, questões da Fé, pode ser assimiladas racionalmente através da "Palavra", que é o fundamento. A fé brota no coração, é questão da alma e se aperfeiçoa com as experiências.  
É na fé que encontramos apoio quando o mundo não consegue satisfazer nossos desejos e vontades existenciais; é na fé que encontramos esperança quando as impossibilidades insistem em nos amedrontar; é na fé que encontramos o remédio para as doenças e vazios da alma; é pela fé que podemos acreditar que existe algo além de um mundo frio, inflexível e indiferente; é pela fé que temos a certeza que a morte não tem a última palavra.  
 Fé é acreditar que as pessoas podem mudar; que por mais que nossos gestos e ações sejam pequenos e muitas vezes insignificantes, vão mudar o mundo; Fé é acreditar em nós mesmos, acreditar que nós somos capazes; que mesmo apesar das dificuldades da caminhada vamos seguir firmes e vencer; Fé é nunca desanimar; é nunca se deixar vencer pelo mal; Fé é ser otimista, é acreditar no bem.
É pela fé que passamos por provações e continuamos firmes; é pela fé que não ficamos desanimados mediante as aflições que constantemente nos afligem; pela fé, temos a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e também, a prova de que existam coisas que não podemos ver. É pela fé que agradamos a Deus, e por ela, como os olhos fixos em Jesus, terminaremos a corrida da vida, porque pela fé, é possível termina-la e ser vencedor.


domingo, 20 de abril de 2014

Páscoa



Tirei essa foto em uma tarde em Ibituruna, nela, um sol se pondo imponente entre as nuvens e uma cruz, vazia, diante do céu azul. Logo, me lembrei daquela velha canção que conheço desde criança:

"Porque Ele vive posso crer no amanhã
Porque Ele vive temor não há
Mas eu bem sei, eu sei, que a minha vida
Está nas mãos do meu Jesus que vivo está."

Feliz Páscoa!

quinta-feira, 20 de março de 2014

E assim, começa o outono...

"Há nas matas cerradas um prazer
Há nas encostas solitárias um arrebatamento,
Há sociedade, onde ninguém pode intrometer,
Pelo mar profundo, e música em seu lamento:
Eu não amo menos ao Homem, mas à Natureza mais,
Dessas nossas entrevistas, nas quais capturo
De tudo que eu possa ser, ou tenha sido tempos atrás,
Para me misturar ao Universo, e sentir puro
O que nunca posso expressar, ainda que não possa esconder."


Lord Byron

Ibituruna - MG 20/03/2014



segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

A alma que me cabe



Texto de Paulo Brabo
– Os conservadores e reformados — disse o dono do haras ao jangadeiro — afirmam que a missão é fazer com que as pessoas abracem o nome do seu mestre de modo a evitarem o inferno e ganharem o céu; para eles, trata-se de salvar as almas não para este mundo, que é irremediável, mas para a vida eterna.
Os liberais e libertários afirmam que a missão é transformar este mundo a partir do exemplo revigorante do seu mestre, de modo a construir nesta vida uma estirpe honorária de céu; para eles, trata-se menos de prometer o reino de Deus para a vida futura do que implementá-lo contra todos os impedimentos nesta existência.
Qual é a sua opinião? Qual dos dois pensamentos está certo?
O jangadeiro terminou de fazer o nó que o incomodava e aspirou a maresia.
– O que sei sobre a vida eterna é que ela é para ser um presente, e presente a gente não deve cobrar e não deve esperar. O mesmo, você deve entender, posso dizer desta vida. A vida futura que deve me ocupar é o momento seguinte, porque o momento seguinte depende do que faço neste. Salvar as pessoas ou transformar o mundo? Se você pensar, qualquer um desses seria fácil demais, porque tanto o mundo quanto as pessoas estão fora de mim; a metamorfose deles nada exige de mim e para mim nada implica além daquilo em que me beneficia. O desafio do legado de Jesus é eu transformar a mim mesmo. É natural que transformando a mim mesmo estarei transformando o mundo, mas essa não é a questão. A alma que me cabe salvar continuamente é a minha.

Fonte: http://www.baciadasalmas.com/2008/a-alma-que-me-cabe/

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

"Pra começar bem o ano!"


Um dos aspectos bom da vida, é poder mudá-la sempre que necessário e quantas vezes quisermos. Mudanças fazem parte do viver, e, embora algumas vezes esta ideia nos pareça assustadora, as mudanças podem mostrar um novo mundo, fazer-nos enxergar novas belezas, possibilitar encontrar grandes paixões, revelar novos motivos pra viver, e quando é uma mudança do interior, na alma, a forma como entendemos a vida pode ganhar outras dimensões e significados.

O Filme "Larry Crowne" materializa as boas surpresas que as mudanças podem proporcionar. Larry, interpretado por Tom Hanks, era um líder nato na equipe da empresa em que trabalhava, mas a crise bateu à sua porta. Afundado em dívidas e precisando pagar a sua hipoteca, ele precisa mudar completamente sua vida. Larry Crowne se matricula na faculdade, e a partir deste passo, desta mudança, as transformações começam a acontecer, um novo mundo de possibilidades se abre a ele, novas aventuras, novos amigos, muitos desafios, conhecimento e o principal, ele desenvolve uma paixão por sua professora de oratória, Marcedes Teinot, (interpretado por Julia Roberts), uma mulher que perdeu tanto a sua paixão por ensinar como a que sentia pelo marido. O cara simples, que teria todos os motivos para pensar que sua vida chegou ao fim, acaba aprendendo uma lição inesperada: quando você pensa que tudo o que vale a pena já passou na sua vida, descobre que você ainda pode encontrar muitas razões para viver.

Mudanças representam desafios, são para corajosos, para aqueles que detestam a ideia do conformismo, do monótono, para aqueles que não teme o viver, que não tem medo de procurar por novos motivos que dão razão a existênncia, por aqueles que sempre procuram se apaixonar por suas próprias vidas.

Fiodor Dostoievsky certa vez escreveu que "o mistério da existência humana não consiste apenas em ficar vivo, mas em achar um motivo pra viver", e porque não achar vários desses motivos, a vida está recheada deles pra vivermos.

Mude sempre que necessário, esteja aberto a um mundo cheio de possibilidades e desafios, e como disse Jack Kerouac "apaixona-te pela tua existência."

Não é pecado viver!


Felippe Ramos